Confissão

foto 5-6

foto-10CONFISSÃO

Que esta minha paz e este meu amado silêncio
Não iludam a ninguém
Não é a paz de uma cidade bombardeada e deserta
Nem tampouco a paz compulsória dos cemitérios
Acho-me relativamente feliz
Porque nada de exterior me acontece…
Mas,
Em mim, na minha alma,
Pressinto que vou ter um terremoto

Mario Quintana

Mais fotos de flores, livros e calma, aqui.

Você é linda, você é delicadeza.

_DSC0799Eis que na manhã do último domingo me peguei contemplando os traços delicados e marcantes do rostinho da minha pequena.
Sou particularmente apaixonada por seus grandes olhos negros e seu cabelo encaracolado e caoticamente lindo.
Ela me disse esses dias que seu cabelo é formado por um monte de “molinhas”, me falou isso rindo, em tom de fascínio por reconhecer tal semelhança, eu sorri junto e completei dizendo que todas as molinhas de seu cabelo a ajudarão  saltar e alcançar as estrelas.

Sim, Eleonora,  você é linda e é delicadeza.
Obrigada por existir.
Obrigada por estar em nossas vidas.

Abaixo, mais fotos produzidas no quarto da Elê, durante nossa manhã de domingo._DSC1018_DSC1008_DSC0990 copy_DSC0971 _DSC11073img6

Obs: Agradecimento especial ao papai da Elê, (nosso melhor amigo, nosso grande amor), por mantê-la calma e paciente para as fotos da insistente mamãe aqui. XD

Tenham todos uma maravilhosa semana!

Quanto tempo…

_DSC0880_DSC0826 _DSC0862
Já tem tanto tempo que essas fotos estão aqui nos arquivos do blog esperando para serem publicadas que:
– Minha mudinha de Amor Perfeito já mudou de vazo duas vezes depois dessa foto.
– A muda de Lanterna Chinesa que a Elê estava plantando já dobrou de tamanho, brotaram várias lanterninhas, e hoje ela continua crescendo, todavia, meio doente. As folhas ficam o tempo toda murchas, (alguma dica?).
– Eu tinha acabado de ganhar a bolsa alaranjada desejo da Penguin Books,  de uma doce amiga. Ela me deu a que tem a capa do livro O Grande Gatsby, do Fitzgerald. <3

Doce semana para todas e todos!

E nada de novo acontece…

Olá!
Tenho dando distante, não só daqui, mas de um monte de coisas… Andei perdendo o foco, ou melhor, redirecionando-o, (vamos ser otimista, certo?!).
Enfim, a vida aqui segue calma, meio morna, meio animada.

Esses dias fui ao centro de Goiânia comprar um livro para uma pesquisa que estou fazendo. O sebo onde encontrei o meu livro era desses onde quase não se vê um pedaço de parede livre. Todas as paredes eram cobertas de livro. Estava meio caótico. Tanto é que foi eu que encontrei o livro que eu queria, pois a funcionária estava meio perdida. rss
Eu achei caótico, mas achei lindo também. Resolvi fotografar. Fotografei.foto 1-12
foto 3-11
Na volta pra casa, garanti meu almoço, nada saudável, eu sei (salvo o Fitzgerald ali no meio, que faz bem pro cérebro, coração e para alma),  e confesso que pouco gostoso também. McDonald’s não é o meu forte. Já a coca-cola… <3

Processed with VSCOcam with f2 preset

E depois do almoço para todo o resto do dia, fiquei admirando minha flor de cravo, cultivada num vaso na varanda desde que era uma singela sementinha…

Vou ver se não sumo tanto…

Temos que resistir!

foto-2-229/11/2016, a caminho de Brasília…
Da janela do ônibus via uma paisagem, que ora brilhava sob o sol forte, ora fica cinza em clima de chuva.
Enquanto sentada na poltrona do ônibus observando as nuvens, eu fui tomada por um sentimento incerto, a vontade de chorar tornou-se inevitável.
Sinceramente, no fundo eu previa que estava indo lutar por uma causa que já estava perdida, então, por quê ir?
Bem, eu sentia que tinha um dever comigo mesma de estar naquela manifestação, independente de qualquer coisa. Eu, e todos nós que lá estávamos, chegamos até lá com o intuito de darmos  um único recado a esse governo perverso: não vamos aceitar passivamente o que vocês nos estão empurrando.

Sobre o protesto: não esperava tanta truculência, tanta violência da polícia.
Tinha gás e spray de pimenta para todos que estavam na esplanada…

Voltei para casa exausta, assustada, e o pior, ainda mais desanimada.

Sim, o cenário político me faz chorar (sério), e me faz sentir frio no estômago quase todos os dias.
Acho que nunca na minha vida me senti tão desanimada e tão sem esperança quanto ao futuro  do meu país.

Mas enfim, o cenário é desanimador, mas temos que resistir!!!
E quanto à luta, creio que estamos apenas no começo…
foto-1-2
foto-2

Desvio

 captura-de-tela-2016-11-06-as-20-50-36
*
O DESVIO  

A mim pouco me importa
aberta ou fechada a porta,
vou entrar.  

E pouco me importa estar
sendo amada ou não amada:
vou amar.  

Que a mim me importa tanto
eu mesma e o sentimento,
quanto!  

A mim pouco me importa
se a tua amada é doente,
se a tua esperança é morta.

E me importa muito menos
se aceitas solenemente
a nossa vida parca e torta.

Porque a mim me importaria
deixasse de ser eu mesma
e a poesia.

A mim pouco me importa
se a lira quebrou a corda:
vou cantar.

E pouco me importa estar
no picadeiro do circo:
vou rodar.

Que a mim me importa tanto
eu mesma e o sentimento,
quanto!

A mim pouco me importa
se estamos todos presos
por uma invisível corda.

E me importa muito menos
sermos todos indefesos
ante o destino que corta.

Porque a mim me importaria
deixasse de ser eu mesma
e a poesia.

Yêda Schmaltz

Conheci as poesias da Yêda Schmaltz por um acaso, enquanto navegava em águas infinitas em busca de mais informação sobre minha pesquisa. Como num tropeço, me esbarrei nas palavras arrebatadoras dessa poeta que nasceu em Recife mas que viveu toda a sua vida aqui pertinho da gente, em Goiás.

Entre notícias e mensagens, a vida corre em ritmo delicado.

pm2Essa semana eu recebi uma mensagem linda, dessas de encher o coração da gente.
A mensagem na verdade era uma foto de um bilhete que uma pessoa, (uma doce amiga), escreveu durante o horário de trabalho. O bilhete continha apenas um parágrafo e para mim, um mundo inteiro de sentimentos.
Certo dia disse para essa amiga que ela não era aquela “coisa” negativa que ela estava afirmando ser. Falei de maneira natural, rápida, entre nossas conversas sobre livros e vida, (costumamos nos encontrar esporadicamente para conversarmos basicamente sobre o que estamos lendo e consequentemente acabamos conversando muito sobre a vida).
Todavia a minha fala continuou existindo na memória dessa amiga, continuou ali ecoando. Ao ponto dela se agarrar a essa fala nos momentos em que estava precisando de um pouco mais de força, ou de um respiro para quebrar o ritmo maçante da rotina no trabalho.
Saber que estou fazendo alguma diferençazinha na vida dessa pessoa me fez sentir plena. Cheia de vida.

Essa semana também recebi uma notícia maravilhosa, de uma outra amiga.
A notícia é maravilhosa, mas a forma como veio nos pegou de surpresa.
Tentei passar toda calma que tenho a ela, (sim, tenho muita calma aqui comigo), acho que deu certo.
Na mesma noite eu recebi dessa mesma amiga uma mensagem de agradecimento com um singelo “eu te amo” no meio.
Agora tudo está mais calmo.
Me senti plena.
Me senti enorme.

A semana ainda não acabou, não tenho ideia de como ela se finalizará.
Eu só sei que tenho que estudar ainda nos próximos dias… Andei me permitindo alguns longos dias sem tocar no material da minha pesquisa, e isso está me deixando de consciência pesada

E nessa semana comecei mais uma nova leitura, pelo que tudo indica, ela acaba essa semana também.

Ahh, e no final dessa semana assistirei Lago dos Cisnesballet e orquestra, com a Elê e o Inácio. Ano passado assistimos Dom Quixote, e posso garantir, foi esplêndido. 
pm1 pm3 pm4
Aliás, creio que Master of None será a trilha sonora dessa semana.
Quero dançar essa música, quero viver dentro dessa música!

*Fotos feitas durante minha longa terça-feira.

Mrs. Dalloway e sua beleza infinita

v1Já estamos quase em outubro, até então, já me envolvi em tantas histórias, tantos romances, tantas histórias bonitas, tantas histórias tristes, tantas histórias bonitas e tristes, e tiveram histórias alegres também.

Ao finalizar cada uma de minhas leituras eu sempre pensava: vou fotografar o livro, vou lá registrar tudo no blog…”
Bem, como vocês viram, aqui, não mais voltei. Fiquei apenas produzindo e colecionando fotos dos livros que li, e falando para mim mesma que logo, logo, voltaria para compartilhar.

Enfim, o tempo foi passando e nada fiz.v2Sobre Mrs. Dalloway.
O livro que tem um dos mais belos início e fim que já li em minha vida. Sério!

Mas a minha relação com esse livro nem sempre foi doce assim…

Faz muito tempo que eu o tenho, e estou certa de que quando o ganhei, li de imediato.
É um livro adorado para os que amam clássicos da literatura (e é exatamente aqui que me encontro), mas por que diabos eu não “senti” muita coisa através dessa leitura, ao ponto de não lembrar quase nada da história?

Retomei a leitura de Mrs. Dalloway para um projeto pessoal. Quando peguei o livro na estante e vi que ele não tinha NENHUMA marcação, logo percebi que tinha algo de errado ali.
Enfim, reli o livro, e… CÉUS, que livro é esse?

Chorei em algumas passagens… Sou assim, chorona com as letras.
v7O livro é fino, tem quase 200 páginas e a história não poderia parecer mais banal.
A autora narra um dia na vida de Clarissa Dalloway, uma mulher rica, muito elegante, e que adora dar festas… E a simplicidade da história acaba exatamente aqui.
O livro é um mar sem fim de sentimentos.
Tudo começa quando a senhora Dalloway “disse que ela mesma iria comprar as flores“.
E ela vai comprar as flores, afinal, a casa tinha que está impecavelmente bem apresentável para os convidados. “Delfínios, ervilhas-de-cheiro, maços de lilases, e cravos, montes de cravos. Também rosas e íris…” (p. 19). Flores, era preciso muitas flores para dar aquela festa.
Mas, de quantas flores e quantas variedades da mesma seria necessário para expressar a delicadeza e profundeza da senhora Dalloway?
Não sei… Talvez a infinitude seja suficiente.

Há trechos nesse livro que simplesmente me arrebatam imensamente como:
Uma mulher que se sentava em sua sala e fazia desta um local de encontro, certamente uma radiância para algumas existências opacas, um refúgio onde podia se abrigar os solitários, talvez ela havia incentivado homens, e eles se mostraram agradecidos; havia procurado ser sempre a mesma, nunca revelando nada de tantos outros aspectos de si mesma – falhas, ciúmes, vaidades, desconfianças, como nesse caso em que Lady Bruton deixou de convidá-la para o almoço; o que pensou (afinal penteando o cabelo), é de uma baixeza sem tamanho! Bem, onde estava o vestido?” (p.42).
A identificação foi completa, consigo me imaginar perfeitamente penteando o cabelo enquanto borboletas se agitam no meu estômago me lembrando do desconforto de não ser, se quer  convidada, ou incluída em algo. Acho que todo mundo entende.
Aliás, creio que esse trecho aparece no filme As Horas (um dos meus filmes favoritos na vida), e no filme eu já tinha me comovido com o desconforto da personagem diante dessa situação.

Há várias outras partes no livro que me deixaram comovida, como a relação de amor e amizade da Clarissa Dalloway com Sally Selton, onde o narrador deixa claro que era um sentimento diferente do que se sente pelos homens. Era um sentimento de qualidade ímpar, que poderia existir somente entre as mulheres, mas que infelizmente, ambas as amigas, (ou todas a mulheres do período), no fundo sabiam que aquela relação intensa iria findar com a chegada do casamento:
De sua parte tinha um aspecto de proteção; nascido da percepção de serem aliadas, de  um pressentimento de que estavam destinadas a se afastar uma da outra (sempre falavam do casamento como sendo uma catástrofe),  que levava a esse cavalheirismo, esse sentimento protetor bem mais forte nela do que em Sally.” p.39
Como não me comover?

O livro é uma completa imersão na sociedade inglesa do início do século XX, brutalmente marcada pela primeira guerra mundial.
Mas o fato é que para mim, o livro é atemporal (como costuma ser todos os grandes clássicos da literatura, talvez venha daí a genialidade dessas obras), ele traduz a sociedade daquele período, mas que, ainda hoje, não me impede de me identificar com todas as páginas do romance.

Esse livro é imenso e absolutamente lindo!
v3v4E para finalizar, como eu disse lá no início, o livro inicia de maneira bela e se encerra de maneira plenamente bela também…

“O que é essa excitação extraordinária que toma conta de mim?
É Clarissa, disse ele.
Pois ali estava ela.” p. 196.

Virgínia Woolf, muito obrigada por ter narrado a vida por vias tão  delicadas.
Amor infinito!

Mrs. Dalloway (1925)
Autora: Virgínia Woolf
220 páginas
Editora: Cosac Naify

Obs: O post ficou imenso. Não faz parte do meu estilo (acho), mas no fundo, são as citações que são longas… E confesso que me parece um pouco difícil ser sucinta quando o assunto é Mrs. Dalloway. =}

Enquanto isso…

1_dsc2075Sigo me apaixonando por essa menina minha, chamada Eleonora._dsc1446 Sigo adorando receber pessoas. sigo adorando viver com flores._dsc1976Sigo conversando incansavelmente com quem quer que seja, sobre literatura.
Sigo me impressionando com os grandes clássicos da literatura.
Sigo me permitindo ler um livro mais de uma vez. _dsc1892Sigo me reencontrando em  dias silenciosos._dsc2051  Sigo bordando desenhos. Sigo pegando flores nas calçadas._dsc2098 Sigo tentando tecer poesias visuais.

Depois de tanto tempo, aqui estou eu de volta, cá estou eu relatando fragmentos dos meus dias novamente.

Silenciosas lembranças.

 Screenshot from 2016-06-26 19:50:39Desculpe-me por todo esse silêncio. Sabe o que é? É que ultimamente tenho sofrido de ausências…
Isso nunca me ocorreu, ou pelo menos não com essa intensidade.
Daí fiquei meio que assim… sem saber lidar com as lembranças…

foto 1E essa flozinha cor de rosa que não faço ideia do nome é a representação do que é felicidade para mim. Ela exala lembranças de meus melhores dias.

E para finalizar, deixo as palavras de Cecília Meireles sobre o que é ser, sentir, viver em saudade.

Silenciosas lembranças

Cecília Meireles

De que são feitos os dias?
De pequenos desejos
Vagarosas saudades
Silenciosas lembranças.
.
Entre mágoas sombrias
Momentâneos lampejos
Vagas felicidades
Inatuais esperanças.
.
De loucuras, de crimes
De pecados, de glórias
Do medo que encadeia
Todas essas mudanças.
.
Dentro deles vivemos
Dentro deles choramos
Em duros desenlaces
E em sinistras alianças.

 

Elogio da madrasta

_DSC0402
Esse livro veio parar em minhas mãos através de uma troca que fiz com uma garota super simpática que está nos meus contatos no FaceBook. Troquei um exemplar repetido de As Ondas da Virgínia Woolf pelo desconhecido para mim, Elogio da Madrasta de  Mario Vagas Llosa.

Eu não demorei muito para iniciar a leitura (mas demorei um monte para vir compartilhar com vocês), motivada especialmente pelo fato do autor ser latino-americano (tenho vontade de me jogar cada vez mais em autores daqui das redondezas).

O romance gira em torno da relação entre um jovem enteado e sua bela madrasta e segue numa linha de literatura erótica (acho).
Para mim, o melhor detalhe está em um elemento na arquitetura da história.  Boa parte dos capítulos começam a partir de uma obra de arte. O autor trás literalmente a obra para dentro do livro, e a história se desenrola segundo alguns detalhes presentes nos cenários ou personagens dessas obras. Mas eu, como apaixonada por história da arte, fiquei ansiosa em saber ou confirmar de quem eram as obras. Fico particularmente chateada quando vejo obras clássicas aparecendo por aí sem nenhum dado catalográfico.
Entendo que talvez os dados não devessem aparecer assim, no meio da história, mas poxa, nem num posfácio???
Mas para minha tardia felicidade, me dei conta que informações sobre as obras estão na PRIMEIRA página  (como não vi antes?), juntamente com as informações técnicas do livro. Derrr.

Mas de maneira geral eu não gostei do livro.
A história não me envolveu, e acabou escorrendo… Sem nada de surpreendente, morna, morna…
Sempre me sinto super insegura em fazer alguma pontuação negativa sobre obras literárias, ainda mais se tratando dessa, em que o autor é nada mais nada menos que um detentor de um Prêmio Nobel da Literatura.

_DSC0801
_DSC0414
_DSC0389
Mas não me arrependi de ter lido.
Não me arrependi de forma alguma da troca (aliás, estou aberta para novas possibilidades!!!)

Elogio da Madrasta
Mario Vargas Llosa
Ano: 1988
Páginas: 159
Editora: Objetiva

*Não faço resenha, apenas compartilho minhas experiências e devaneios com a leitura*

Para quem já leu esse livro, por favor, compartilhe sua experiência.
Adorarei ler. =}

Tenham uma doce semana

 

Arte abstrata

_DSC0379
Sou do tipo mãe coruja, desses, bem clássico…
Que guarda rabiscos da filhota para depois pendurar na parede.

Essa pinturinha linda aí foi feita em parceria. Nós duas colorimos aleatoriamente o papel, utilizando bastante cores fortes e vibrantes.
Gostei tanto do resultado que não pensei duas vezes em pendurá-la na parede. A moldura onde antes havia uma maravilhoso print de Edgar Degas deu lugar ao abstracionismo da pequena (desculpa, Degas, você não é o problema, o problema é a concorrência… rsrs).

_DSC0380 _DSC0773E a parede vai ficando assim… Cada vez mais colorida.
A ideia é que fique mais colorida ainda, mais cheia de quadros.
Mas por ora, não fizemos nenhum furo a mais na parede, apenas aproveitamos os furos que já existiam e penduramos os quadros.
_DSC0818 _DSC0829E esses últimos cliks foram só para exibir minha nova planta/árvore linda chamada Croton Petra.
Estou deslumbrada com a combinação de cores nas folhas dessa maravilha.
Apenas tomara que ela sobreviva bem aos meus cuidados.