Sobre a insustentável leveza

_DSC0201 “Não. Seu drama não era o drama do peso, mas da leveza. O que se abatera sobre ela não era um fardo, mas a insustentável leveza do ser”

_DSC0079A primeira leitura do ano foi um vendaval.
O livro começou exatamente como começam as tempestades, uma ventania não muito forte foi tomando conta de mim e ao final fez-se tempestade.
A história passou correndo dentro de mim, a ventania me elevou para bem longe do chão e quando me dei conta de que muitas vezes a leveza é insustentável, a queda foi certeira e abrupta.
E como tempestade que tira tudo do lugar, a história me deixou completamente virada. Estou coberta de poeira e folhas de árvores. Tomas, Teresa, Franz e Sabina me alagaram.
Chorei.

Quando estava no último capítulo, nas últimas páginas, lendo atentamente o desfecho da história eu percebi que uma dor tomou conta do meu peito, uma dor física tão real…
Meu coração acelerou, a respiração perdeu seu ritmo natural.
Era o fim daquela história, era a confirmação da insustentável leveza.
Quando enfim, terminei de ler o livro, fui direto para cama dormir.
Me deitei, de repente sucumbi.
Comecei a chorar, a soluçar.
Meu namorado me abraçou forte e carinhosamente disse: “não segura, apenas chore se essa é sua vontade”

Chorei.

Ainda estou vivendo no eco da obra.
Ainda estou de ressaca!

_DSC0122 _DSC0130“Em seguida, vem a terceira categoria, as dos que têm necessidade de viver sob o olhar do ser amado. A situação deles é tão perigosa quanto a daqueles do primeiro grupo, Basta que os olhos do ser amado se fechem para que a sala fique mergulhada na escuridão. É entre essas pessoas que devemos colocar Tereza e Tomas.”

9 ideias sobre “Sobre a insustentável leveza

  1. Camila Faria

    A primeira vez que eu li A Insustentável Leveza do Ser eu devia ter uns 12 anos. O livro era dos meus pais e eu me lembro de ter ficado impressionadíssima ~ acho que foi meu primeiro “grande” livro. Já devo ter relido umas 15 vezes desde então e toda vez me descubro mais envolvida com a história e percebo coisas que não tinha percebido antes. A mais importante: que a gente vai mudando junto, sempre, a cada ano. E eu sempre choro muito também. Os capítulos finais são sempre uma chuva de lágrimas por aqui.

    Responder
    1. admin Autor do post

      Eu vou ler ele novamente, acho que não vai demorar muito, será ainda esse ano, porque de alguma forma o livro parece “pedir” que eu o leia novamente.
      E, caramba, chorei demais no último capítulo. Nunca havia acontecido.
      Agora quero me jogar em tudo do Kundera. =}

      Responder
  2. Stéfhanie

    Esse livro é maravilhoso! Quando li também fiquei com ressaca literária, mas toda vez que isso acontece é porque valeu a pena.

    Que seu 2016 seja lindo, leve e cheio de amor!

    Toda vez que veio aqui meu coração enche com toda essa leveza e delicadeza que você passa a cada post.

    Beijinho

    Responder

Deixe uma resposta